Lombalgia em atletas
16 de outubro de 2015
Oswaldo R. Drumond (1 article)
Seja o primeiro a comentar!
Compartilhar

Lombalgia em atletas

Acompanhamento 

Quem pratica esportes e nunca sofreu um quadro de dor aguda na coluna lombar, provavelmente um dia virá a sofrer, ao menos um episódio. A dor lombar, ou lombalgia, somente não é pior que a cefaleia. Sobrepeso, hábitos posturais, má postura e outros fatores contribuem para o aparecimento das dores lombares. Elas podem ser agudas ou crônicas, primárias e/ou secundárias, com ou sem envolvimento neurológico e podem ter naturezas diversas, tais como: congênitas, neoplásicas, inflamatórias, infecciosas, metabólicas, traumáticas, degenerativas e funcionais.

Podemos prevenir a lombalgia com alongamento e fortalecimento da coluna, por meio de academia, pilates, RPG, fisioterapia, exercícios livres etc. A ginástica laboral por si só ajuda apenas a orientar o modus operandi, mas não é suficiente para a prevenção devido ao seu tempo limitado, mas deve ser bem valorizada, para que o atleta consiga fazer corretamente, inclusive em casa, como aquecimento antes de um exercício simples ou um treino avançado.

Em casos de lombalgia mecânica comum, a dor geralmente se restringe à região lombar baixa e nádegas. Na maioria das vezes aparece pela manhã, decorrente de um esforço físico intenso do dia anterior, durando em média de cinco a seis dias e sem consequências maiores. Mas existem também os problemas de hérnia discal, em que a dor é prolongada, com irradiação geralmente para um dos membros inferiores e facilmente identificada com exames. Uma consulta e exames físicos bem completos, geralmente são suficientes para o diagnóstico clínico. Exames complementares são aliados de um diagnóstico mais preciso. A tomografia permite uma melhor resolução espacial com ótima definição dos contornos ósseos, e a ressonância magnética é multiplanar com melhor definição de partes moles, método válido quando constatada a necessidade cirúrgica, não rotineira devido ao seu alto custo.

Algumas patologias podem simular a lombalgia, tais como calculose renal, endometriose, aneurisma de aorta abdominal, processos expansivos abdominais, retroperitoniais etc. Daí a importância do diagnóstico de um profissional. Na grande maioria, diria em 80% a 90% dos casos o tratamento é não cirúrgico, feito apenas com repouso, fisioterapia e medicamentos variados, dentre eles, anti-inflamatórios, analgésicos, miorrelaxantes, opioides etc.

O tratamento cirúrgico geralmente é adotado para os casos que não melhoram com três ou mais meses de tratamento. Pesquisas e trabalhos científicos apontam redução de até 30% de câncer em pessoas de hábitos saudáveis. Essa prevenção pode ser ainda mais eficiente se praticada em conjunto com a fisioterapia, acupuntura e, posteriormente, em um segundo tempo, o pilates, a hidroterapia etc. Nunca se esqueça de que as indicações são extremamente individuais e que não existe uma receita de bolo que se aplique a todos. No caso, a dica de hoje contra a lombalgia, que recomendo a todos, é que façam sempre uma boa prevenção!

Você pode prevenir a lombalgia, fortalecendo a musculatura lombar com exercícios de alongamento, associados a treinos, observando posturas corretas no dia a dia e que devem ser feitos de forma contínua e progressiva. Outra forma de prevenção é com exercícios de fortalecimento, que além de evitar possíveis dores, mantêm o tronco ereto o suficiente para suportar a pressão na coluna, causada pelo impacto das passadas.

Não devemos esquecer que a relação esporte e coluna vertebral irá contribuir para o corpo de maneira geral. Além de fundamental para o sistema cardiovascular, a prática de atividades físicas promove inúmeros benefícios.

 

Em minha opinião, o alongar e o fortalecer devem ser executados simultaneamente, por exemplo: fazendo pilates e musculação, pois em conjunto são mais efetivos, não só para o tratamento, mas também para a prevenção.
Oswaldo R. Drumond

Oswaldo R. Drumond

Oswaldo R. Drumond é ortopedista com pós-graduação em Cirurgia da Coluna pela Northwestern University (EUA). Também é pós-graduado em Perícia Médica, Acupuntura e Medicina do Trabalho.

Comentários

Ainda sem comentários Seja o primeiro a comentar!

Comentar

Seus dados estarão seguros! O seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios marcados como *